Câmara Municipal de Varginha - MG

Lei Ordinária nº 6667/2019
de 16/12/2019
Ementa

ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO PARA O EXERCÍCIO DE 2020.                                                                                                                                                           

Documento Oficial Imagem da Lei
Texto

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º Esta Lei estima a Receita e fixa a Despesa do Município para o exercício financeiro de 2020, compreendendo:

I - O Orçamento Fiscal referente aos Poderes do Município, seus fundos especiais, órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.

II - O Orçamento da Seguridade Social, abrangendo as entidades e órgãos a ela vinculados, da administração direta ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.

Parágrafo único. As categorias econômica e de programação correspondem, respectivamente, ao nível superior das classificações econômica (Receitas e Despesas Correntes e de Capital) e programática (Programas).

CAPÍTULO II

DOS ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

SEÇÃO I

DA ESTIMATIVA DA RECEITA

Art. 2º A Receita Orçamentária é estimada na forma dos anexos 1 e 2, que fazem parte integrante desta Lei, em R$ 513.746.700,00 (quinhentos e treze milhões, setecentos e quarenta e seis mil, setecentos reais) e se desdobra em:      

                            

I - R$ 306.034.000,00 (trezentos e seis milhões, trinta e quatro mil reais) do Orçamento Fiscal; e              

II - R$ 207.712.700,00 (duzentos e sete milhões, setecentos e doze mil, setecentos reais) do Orçamento da Seguridade Social.      

                                                              

Art. 3º A receita será arrecadada na forma da legislação em vigor, com a estimativa constante do seguinte desdobramento:

SEÇÃO II

DA FIXAÇÃO DA DESPESA

Art. 4º A Despesa é fixada na forma dos anexos 1, 2, 7, 8 e 9 que fazem parte integrante desta Lei, em R$ 513.746.700,00 (quinhentos e treze milhões, setecentos e quarenta e seis mil, setecentos reais), na seguinte conformidade:      

                

I - R$ 225.011.077,01 (duzentos e vinte e cinco milhões, onze mil, setenta e sete reais e um centavo) do Orçamento Fiscal; e

                                    

II - R$ 288.735.622,99 (duzentos e oitenta e oito milhões, setecentos e trinta e cinco mil, seiscentos e vinte e dois reais e noventa e nove centavos) do Orçamento da Seguridade Social.                                                          

Art. 5º A Despesa fixada será assim desdobrada:

CAPÍTULO III

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS

Art. 6º Fica o Executivo autorizado a abrir créditos suplementares em reforço às dotações orçamentárias, mediante o uso dos recursos previstos no artigo 43 da Lei Federal nº 4.320/1964, observados os limites:

                          

I - de 10% (dez por cento) do total da despesa fixada, constante do artigo 4º desta Lei; e                                                

II – do valor da dotação consignada como Reserva de Contingência, para cumprir as determinações dos artigos 5º, III, "b", da Lei de Responsabilidade Fiscal e 8º da Portaria Interministerial STN/SOF nº 163/2001.

                            

Parágrafo único. A dotação consignada como Reserva de Contingência servirá igualmente para cobrir a abertura de Créditos Adicionais Especiais, autorizadas em Lei.

Art. 7º Além do disposto no artigo anterior, fica o Executivo igualmente autorizado a abrir créditos suplementares:

                            

I - necessários ao cumprimento de vinculações constitucionais, legais e de convênios ou congêneres, e dos demais recursos até o limite das sobras de exercícios anteriores desses recursos e do seu excesso de arrecadação em 2020;

                                  

II - vinculados a operações de crédito, até o limite dos valores contratados, desde que não incluídos na estimativa de receita constante desta Lei;

III - destinados a cobrir  insuficiências nas dotações orçamentárias dos grupos de natureza de despesa "Pessoal e Encargos Sociais", "Juros e Encargos da Dívida" e "Amortização da Dívida", até o limite da soma dos valores atribuídos a esses grupos, e quando para atender ao pagamento de sentenças judiciais  nas condições e formas determinadas pela Constituição, até o limite de 20% (vinte por cento) da soma dos valores dos grupos de despesas;

IV - destinados à cobertura de despesas de entidades da Administração Indireta, até o limite dos respectivos superávits financeiros do exercício anterior, bem como do excesso de arrecadação das suas receitas próprias, somado ao excesso de transferências financeiras a elas efetuadas durante o exercício;

V - destinados a cobrir insuficiências no âmbito do programa de previdência municipal, até o limite de 20% (vinte por cento) de cada uma de suas ações.

Art. 8º Na abertura dos créditos adicionais de que tratam  os artigos 6º e 7º desta Lei, bem como nas transposições, remanejamentos e transferências de que trata o artigo 167, inciso VI da Constituição, fica vedada a anulação parcial ou total de dotações provenientes de emendas individuais, efetuadas na  forma e condições  prescritas nos §§ 9º, 10º e 11º do  artigo 166 da Constituição.

§ 1º Não se aplica a proibição  contida no  "caput", em relação a parte excedente, se as emendas individuais parlamentares ultrapassarem o limite de 1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da Receita Corrente Líquida do exercício de 2019, ou não observarem  a  divisão  do limite estipulado no § 9º, do artigo 166 da Constituição.

§ 2º Até 30 (trinta) dias após a publicação desta Lei, o Poder Executivo informará ao Poder Legislativo, quando for o caso, que a Receita Corrente Líquida de 2019 é menor do que a Receita Corrente Líquida estimada para 2020, e quais os valores totais a serem considerados como de execução obrigatória e não obrigatória.

§ 3º Recebido o informe de que trata o § 2º, o Poder Legislativo indicará ao Executivo, no prazo de 15 (quinze) dias, como deverão ser consideradas as emendas para efeito do § 11º do artigo 166 da Constituição.

§ 4º Não recebendo a indicação prevista  no  parágrafo anterior, o Executivo reduzirá as dotações decorrentes das emendas individuais de maneira proporcional a variação para menos da Receita Corrente Líquida estimada para 2020 e a efetivamente ocorrida  em 2019, salvo quando isso inviabilizar tecnicamente a realização da despesa no exercício, hipótese em que a  solução deverá ser dada na forma do artigo seguinte.

                          

Art. 9º Os créditos orçamentários com dotações inseridas ou aumentadas por emendas  parlamentares individuais são de execução obrigatória   no exercício até o  limite de 1,2% (um inteiro e dois décimos por cento) da Receita Corrente Líquida efetivamente ocorrida em 2019, observada a meação determinada no § 10º do artigo 125 da  Lei Orgânica do Município  e  salvo  quando houver impedimentos de ordem técnica.

§ 1º Na ocorrência de impedimento de ordem técnica, serão adotadas as medidas previstas na Lei Orgânica do Município.

§ 2º No caso de a Câmara Municipal  não  deliberar  sobre o projeto referido no inciso IV do § 13º do artigo 125 da Lei Orgânica do Município, o Poder Executivo remanejará as dotações com impedimentos  justificados para outros créditos, mediante suplementações ou transposições, conforme o caso, que deixarão de ser de execução obrigatória, mas tendo sempre a menção  de que os recursos são provenientes de emendas parlamentares.

§ 3º Se for verificado pelo Executivo que o comportamento da receita e da despesa durante o exercício poderá levar ao descumprimento das  metas de resultado fiscal, o montante de execução  obrigatória das emendas parlamentares previstas no  § 11º do artigo 166 da Constituição, poderá ser reduzido na mesma proporção da limitação de empenhos  que  vier a ser imposta na forma da Lei de Responsabilidade Fiscal (artigo 8º).

Art. 10. Fica o Executivo autorizado a realizar, no curso da execução orçamentária, operações de crédito nas espécies, limites e condições estabelecidos em Resolução do Senado Federal e na legislação federal pertinente, especialmente na Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000.

Art. 11. As metas fiscais de receita e de despesa e os resultados primário e nominal, apurados segundo esta Lei, constantes do Demonstrativo da Compatibilidade da Programação do Orçamento com as Metas de Resultados Fiscais, atualizam as metas fixadas na Lei de Diretrizes Orçamentárias do exercício de 2020.

Art. 12. As Leis do Plano Plurianual e das Diretrizes Orçamentárias consideram-se modificadas por leis posteriores, inclusive pelas que criem ou modifiquem, de qualquer modo, programas, ações e valores, ou que autorizem esses procedimentos.

                            

Art. 13. As transferências financeiras da Administração Direta para a Indireta, incluídas as efetuadas para a Câmara Municipal, e    vice-versa, obedecerão ao que estiver estruturado pelos créditos orçamentários e adicionais.      

              

Art. 14. Esta Lei entrará em vigor em 1º de janeiro de 2020.

                          

Prefeitura do Município de Varginha, 27 de agosto de 2019.

VÉRDI LÚCIO MELO

PREFEITO MUNICIPAL, EM EXERCÍCIO

SERGIO KUROKI TAKEISHI CARLOS HONÓRIO OTTONI JÚNIOR

SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SECRETÁRIO MUNICIPAL DE

ADMINISTRAÇÃO GOVERNO

WADSON SILVA CAMARGO SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA JOSÉ MANOEL MAGALHÃES FERREIRA SECRETÁRIO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO